quarta-feira, 18 de março de 2009

Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo

Uma figuraça responsável pelas risadas de muitos brasileiros. Dono de um sorriso inconfundível, ele foi um personagem que marcou época na Televisão e nos cinemas. Difícil lembrar? Talvez seja mesmo, pois ele deixou o plano material há exatos 19 anos. Hoje O contexto vamos prestar uma homenagem a Mauro Faccio Gonçalves, conhecido popularmente como Zacarias.
Agora tudo ficou mais fácil. Quem não se lembra daquele personagem com um jeito infantil de falar, que usava peruca e que dava divertidas risadas? Zacarias foi o último humorista a integrar o quarteto dos Trapalhões, em 1975, do qual já faziam parte Didi, Dedé e Mussum. A história desse humorista tavez poucos saibam, mas Zacarias, que veio de uma família humilde com 11 irmãos, nasceu na cidade de Sete Lagos em 18 de janeiro de 1933, no Rio de Janeiro.
Antes da fama, foi vendedor de sapatos e trabalhou em uma fábrica de café. Iniciou sua carreira no rádio em 1955, num programa chamado "Em Babozal Era Assim". Em 1956 formou-se técnico em contabilidade pela Escola Técnica de Comércio, mas o humor estava em seu sangue, e através dele tornou-se conhecido pela habilidade de criar vários tipos de vozes e de imitar animais com perfeição. Após mudar para Belo Horizonte em 57, sofreu a frustração de não ingressar na faculdade de Arquitetura devido a dificuldades financeiras, mas na capital mineira, foi comediante em três programas na Rádio Inconfidência. Logo veio o reconhecimento, e Mauro foi considerado o melhor comediante do rádio de 1960 a 1963.
Mesmo tímido, após passagem pela telinha como na TV Itacolomi, de MG, TV Excelsior, do RJ e Tupi, Mauro recebeu o convite de Renato Aragão para fazer parte dos Trapalhões. Mauro foi o último a integrar o grupo, onde permaneceu até 1990, data de seu falecimento. Ele em carreira solo fez três filmes, Tô na Tua, Ô Bicho , em 1971, O Fraco do Sexo Forte , em 1973 e Deu a Louca nas Mulheres, em 1977. Já integrando a trupe dos Trabalhões, o Zacarias teve muitas participações da telona, difícil até de contar.
Mauro Faccio Gonçalves morreu em 18 de março de 1990, aos 57 anos. Apesar da família do ator ter omitido a razão da morte, o boletim médico apontou insuficiência respiratória em consequência de uma infecção pulmonar. Mauro era portador do vírus HIV. Os familiares do humorista após seu falecimento moveram um processo contra a Rede Globo reividicando indenização referente ao pagamento dos direitos autorais do artista pela transmissão dos programas programa Os Trapalhões, entre 1989 e 1998. O processo ainda não terminou.

2 comentários:

Vinícius Casagrande. disse...

Bem lembrado o niver de um dos humoristas mais engraçados dos ultimos tempos. já ri muito desses "Malucos". Os Trapalhões.

muito boa a reportagem André.
parabens.

Angelo Marcio disse...

Boa... e na minha modesta opinião, sem Zacarias e Mussum, trapalhões não ta dizendo nada...